Confronte sua motivação!

Muitas coisas entristecem o coração de Deus, uma delas, sem dúvidas, pelo menos do meu ponto de vista, é o fato de os homens achegarem-se a Ele por sórdido interesse carnal e momentâneo. Muitos são levados, como os seguidores de Jesus, a um sentimento de imediatismo, muitas vezes até influenciados pela igreja evangélica cristã, que nos leva a entender ao Senhor Jesus como o sustentador de nossos desejos e vontades.


Deus não se deixa escarnecer.


“Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará.” (Gálatas 6:7)


Deus conhece o coração dos homens de tempos em tempos Ele nos prova, não para nos conhecer, haja vista que Ele é Onisciente, Ele nos prova para que nossos pensamentos e desejos saiam da área escura e camuflada de nossas vidas e chamem nossa própria atenção para aquilo que somos e pensamos. Jesus conhecia a multidão, conhecia seus discípulos bem como nos conhece a todos hoje, sabe o que pensamos e porque pensamos, sabe o que fazemos e o porquê fazemos, sabe o que nos move e também o que nos paralisa. Vendo a multidão de seguidores e discípulos Jesus realizar o único milagre, a primeira vista, sem motivo de seu ministério.


A multiplicação de pães e peixes relatada no evangelho de João 6. 3- 15, não tinha nenhum motivo urgente para ter acontecido tendo em vista o fato de estarem às margens do Mar da Galiléia, uma região não deserta, na verdade uma cidade, onde o próprio Jesus sugere a compra de alimentos, está no versículo 5. Jesus faz um grande sinal milagroso, dá alimento a uma numerosa multidão, as pessoas se fartam com aquele alimento, tem sua carne satisfeita e desejam coroar Jesus a força como seu Rei, no versículo 15.


Mais por que Jesus alimenta a multidão? Como falei anteriormente, de tempos em tempos Deus prova nosso coração e mede nossos pensamentos. Jesus ao alimentar a multidão não só alimentou suas barrigas, mais alimentou muito mas sua ambição imoral e profana.


Jesus criou uma situação na qual pela primeira vez o Joio fosse separada do Trigo por si mesmo, já que ninguém poderia arrancá-lo. Jesus deu ao povo e também a comunidade de seguidores e discípulos a chance de exteriorizar aquilo que estava dentro deles, aquilo que os movia.


Chega um tempo em nossas vidas que nossas motivações precisam ser confrontadas.


A multidão alimentada, tanto no físico como no ego, queria, a força, proclamar Jesus como rei, note que até contra a vontade do próprio "rei".


Não somos diferentes, quando o discurso nos inflama, quando as coisas acontecem de modo que nos deixam "felizes" com Deus queremos que Ele reine soberano em nossas vidas, na verdade isso é o que está na superfície, mais o que estava no coração daqueles seguidores e discípulos era o que está em nossos corações

hoje, dois mil anos depois, Jesus como rei pode fazer com que nossa vida melhore.


BINGO!


Muitas vezes não seguimos Jesus porque o amamos ou porque somos gratos pelo que Ele fez por nós. Seguimos ao Senhor pelos benefícios que Ele tem para nos dar: Paz, Alegria, Dinheiro, Amor, Prosperidade,

etc.


Isso não é verdade?


Quando você fez essa pergunta a você mesmo pela última vez? Por que estou com Jesus?


Na verdade o reino não é dele, é nosso, já que somos nós que somos servidos por Ele, colocamos Jesus como nosso serviçal e não como nosso rei, Ele é nosso súdito.


Aí você diz:


- Lá em Marcos 10.45 diz: Porque o Filho do homem também não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos!


Mais você se esquece que o versículo acaba com dar sua vida em resgate de muitos, isso Ele já fez. Aleluia. Jesus já não é mais servo, Ele é quem João o evangelista viu na revelação que relatou no livro do Apocalipse 17. 14:


“Estes combaterão contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; vencerão os que estão com ele, chamados, e eleitos, e fiéis.”


Não confunda; Jesus não entrou em crise por que aquele povo, ou eu e você procuramos e precisamos ser abençoados por Ele; Jesus não entra em crise por nos abençoar, na verdade Deus tem um prazer imenso em nos abençoar. O problema é quando nos achegamos a Ele simplemente com essas segunda, terceiras, quartas e quintas intenções, mesmo que enrustidas e escondidas de nós mesmos.


O teste.


Como sabermos que não somos meros interesseiros e caçadores de bençãos?

Isso é muito simples, responda com sinceridade:


Quando o discurso bíblico vindo através da palavra, líder, pastor, irmão ou do próprio Espírito Santo contraria suas expectativas você desiste de Deus e de sua igreja?


Quando Deus, seus líderes, pastores, irmãos decepcionam sua expectativa e seus sonhos você desiste de caminhar com eles?


Quando você está passando pelo meio do deserto de sua existência você desiste de Deus?


Você caminha de acordo com a multidão contrariando a Deus e sua palavra?

Você vive teimando com Deus e seus líderes para satisfazer suas vontades e aspirações?


Quando tudo está indo bem você tem vontade de dizer Aleluia mais quando tudo vai mal você diz: Não vou mais a igreja!!?


Se suas respostas foram sim cuidado, você é um sério candidato a tornar-se um desviado.


A cura.


Entender quem é você sinceramente.


Entender sinceramente quem é Deus.


Entender que sem Ele você não é nada.


Entender que sem você Ele ainda é Deus.


Entender o que Pedro entendeu. Mesmo estando triste com a desistência dos outros, mesmo não entendendo muita coisa ao seu redor ele, Pedro, sabia que não poderia ir a nenhum outro lugar.


“Então disse Jesus aos doze: Quereis vós também retirar-vos? Respondeu-lhe, pois, Simão Pedro: Senhor, para quem iremos nós? Tu tens as palavras da vida eterna. E nós temos crido e conhecido que tu és o Cristo, o Filho do Deus vivente.” (João 6:67- 69)


Jesus deu também a fórmula secreta de um crente “indesviável”: Alimentar-se

d'Ele todos os dias.


Quer conhecer a Deus de fato? Busque a face de Deus mas do busca suas mãos!





Posts Em Destaque
Posts em breve
Fique ligado...
Posts Recentes